quinta-feira, 28 de julho de 2011

SNO-Excursão à Barreirinhas

Paiva Silva, Relações públicas-Cermangue

Os participantes da XXIII SNO terão a oportunidade de conhecer um dos mais belos paraísos naturais do Brasil. A visita aos Lençóis Maranhenses será uma das atrações da Semana.

O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses é um Paraíso ecológico com 155 mil hectares de dunas, rios, lagoas e manguezais. Raro fenômeno geológico que foi formado ao longo de milhares de anos através da ação da natureza. Suas paisagens são deslumbrantes: imensidões de areias que fazem o lugar assemelhar-se a um deserto. Mas com características bem diferenciadas.

Na estação seca, as águas se evaporam e a paisagem muda novamente. O Parque volta a ter ares desérticos.

Por seus excepcionais atributos naturais, os Lençóis Maranhenses foram transformados em Parque Nacional em 1981, ocupando uma área de 270 quilômetros de extensão, na costa oriental maranhense. Dentro dos limites do Parque, há apenas duas ilhas de vegetação, onde vivem pequenas comunidades de camponeses.

PREÇO DO PACOTE: R$ 190,00 (individual)

O pacote inclui:
<!--[if !supportLists]-->·         <!--[endif]-->Transfer slz/brb/slz;
<!--[if !supportLists]-->·         <!--[endif]-->Hospedagem;
<!--[if !supportLists]-->·         <!--[endif]-->Passeios à Lagoa e Caburé.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

SER2011: TEMA DA CONFERÊNCIA

Por Paiva Silva, Relações públicas-Cermangue
Os Maias, conhecidos por suas realizações arquitetônicas, artísticas, matemáticas e científicas, nos deixaram uma série de monumentos de pedras gigantes e pirâmides com precisos cálculos astrológicos que refletem o seu entendimento da relação simbiótica entre a terra e o cosmos, e que muitos interpretaram como profecias.
 Esses povos acreditavam que estes ciclos celestes coincidem com o desenvolvimento de nossa consciência coletiva, e que os movimentos dos corpos celestes exercem influências sobre a biosfera da Terra. Quando nos aproximarmos do último ano do ciclo (3113 aC - 2012 dC) "Idade do Quinto Sol", o alinhamento planetário em 21 dezembro de 2012 muda previsões importante na nossa evolução, que nos proporcionará enormes oportunidades para o renovação e restauração da harmonia entre natureza e cultura.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

63ª Reunião Anual se encerra com mais de 8 mil participantes

15/7/2011 –
        A 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) termina nesta sexta-feira, dia 15, na Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia, com seus objetivos cumpridos. A avaliação é da presidente da SBPC, Helena Nader, que apresentou, ao lado do reitor da UFG, Edward Madureira Brasil, um balanço do evento, cujo tema foi Cerrado: Água, Alimento e Energia. “A reunião trouxe o efeito político que precisa ter, chegar àqueles que são gestores para que olhem ciência, tecnologia e educação como algo necessário para um País que quer ser inovador”, destacou ela. O local da 64ª Reunião já foi definido: será em São Luís, capital do Maranhão. O tema está em discussão.

     A 63ª Reunião teve 8.886 pessoas inscritas de todos os Estados brasileiros, sendo 2.229 de Goiás. A programação sênior contou com 438 palestrantes, sendo 314 de outros Estados, que participaram das 174 conferências, mesas redondas, simpósios e encontros que se realizaram durante a semana. A ExpoT&C agrupou 135 instituições e 90 expositores, em 6 mil metros quadrados de área. A SBPC Cultural realizou mais de 70 atividades e teve um público médio de 5 mil pessoas por dia. Já a SBPC Jovem teve um público de 4.500 pessoas.

    No balanço, a presidente destacou o esforço da SBPC e dos conselhos nacionais de Secretários Estaduais para Assuntos de Ciência e Tecnologia e Inovação e das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa, Consecti e Confap, respectivamente, para redigir um documento sobre os gargalos legais enfrentados pelos pesquisadores. Esse documento servirá de base para elaboração de um projeto de lei a ser enviado para o Congresso que torne as leis mais favoráveis às atividades de C&T. O deputado federal Sibá Machado (PT-AC) e o senador Eduardo Braga (PMDB-AM) são os principais interlocutores das entidades no Congresso. “Pela sua credibilidade, a SBPC está sensibilizando o Congresso Nacional, cada vez um pouco mais”, comentou, ela.

     Questionada sobre os próximos passos dessa iniciativa conjunta, Helena Nader explicou que, além da conclusão do documento, deverá haver um diálogo com os órgãos de controle do governo, como Tribunais de Conta, Advocacia Geral da União e outros, para que os técnicos que avaliam os relatórios de prestação de conta das universidades e institutos públicos de pesquisa entendam as particularidades das atividades científicas.

    Ela disse que a SBPC vai se dedicar, ainda, à mudança da lei de acesso à biodiversidade, que tem praticamente impedido a coleta de material, inclusive para fins de pesquisa, e a dialogar com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). “Tenho conhecimento de produtos que demoram cinco anos para serem avaliados pela agência. Nesse prazo já surgiu outra inovação”, contou a presidente. Ela revelou que não está otimista em relação a votação do PNE ocorrer neste ano, por causa das mais de 2 mil emendas feitas ao plano.

   Também vai tratar do andamento das ações propostas no âmbito da 4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, ocorrida em maio de 2010, em Brasília. “Isso não pode ficar no papel”, acrescentou. A partilha dos recursos do pré-sal e a mudança no regime de reposição de pessoal nos institutos de pesquisa federais são outros dois temas da sua agenda à frente da SBPC.

    Uma ação mais imediata é inclusão da área de C,T&I como megadesafio no Plano Pluarianual em elaboração pelo governo. A demanda do setor acadêmico já foi levada pela SBPC para a presidente Dilma Rousseff e o governo informou que será atendida. A inserção da área como megadesafio deve trazer um novo patamar de financiamento para essas atividades. “Precisamos lutar para ter um status em relação ao financiamento que seja condizente com o que o Brasil quer ser: além de um grande exportador de commodities, exportador de alta tecnologia”, prosseguiu.

     A presidente da SBPC também alertou para o impacto dos cortes no orçamento do MCT em 2011 na produção científica nacional. Ao ser questionada sobre o assunto, ela explicou que a redução no número de papers publicados por pesquisadores brasileiros não deve ser observada em 2011, porque há uma demora entre a execução da pesquisa e a publicação dos resultados. “Neste ano talvez seja até crescente, mas veremos uma queda ao longo do tempo”, apontou.

    Para o Reitor da UFG, Edward Madureira Brasil, a reunião impactou positivamente a universidade, que já havia sediado a Reunião Anual da SBCP em 2002. “Percebemos uma grande maturidade da UFG, que está se consolidando como uma universidade que faz pesquisa, tem cursos de pós-graduação, notamos isso na inserção dos nossos pesquisadores nas redes de pesquisa do País. Essa foi uma oportunidade de reforçar e estabelecer novas parcerias com grandes centros de pesquisa do País”, afirmou ele.

    O Reitor também ressaltou pontos que foram alvo de discussões, como a vinculação dos recursos da exploração do petróleo do pré-sal para as áreas de C&T e educação, o novo marco regulatório, e o Plano Nacional de Educação (PNE). Sobre o marco regulatório, Brasil disse que a academia não defende a falta de controle, mas também não pode chegar ao extremo de seguir normas que causa ineficiência. “O Brasil é o 13º em produção científica hoje e para continuar avançando na produção do conhecimento e em patentes, precisa de um marco regulatório adequado”, acrescentou.

     A respeito do PNE, o reitor comentou que o País precisa pensar em educação de forma integrada. “Educação precisa ser entendida como algo contínuo, que começa na creche e vai até o pós-doutorado, necessita de mobilização de recursos para que todas essas fases sejam trabalhadas e estimuladas”, declarou.



sexta-feira, 15 de julho de 2011

Maranhenses mostram na SBPC alface que cresce mais rápido

Matéria retirada da página da UFMA
 Maranhenses conseguiram diminuir o tempo de germinação da semente usando campo magnético


       Pesquisadores do Maranhão conseguiram diminuir o tempo de germinação da semente de alface, usando um campo magnético. Da forma tradicional, a planta começa a brotar em quatro dias depois de plantada. Mas a influência magnética reduz para dois dias o início da germinação. O método inovador foi apresentado na 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que acontece até a próxima sexta-feira (15), em Goiânia. 

         O estudo é financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema), órgão vinculado a Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e Ensino Superior (Sectec), que participa da SBPC com um estande montado no campus da Universidade Federal de Goiânia. O método pode tornar a produção de alimentos mais rápido e eficaz, inclusive de sementes que possuem longo tempo de germinação, como as do babaçu e pinhão manso. 

        As experiências foram coordenadas pelo pesquisador do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Ifma), Fábio Sales, e realizadas com a participação de alunos do ensino médio e da graduação. 

      Para os testes, foram reaproveitados imãs de um alto-falante. Durante 48 horas, a água utilizada para irrigação das sementes foi colocada em repouso sobre esse campo magnético. "O campo facilita o fluxo da seiva, dos nutrientes, e assim chega mais rapidamente à semente", explica Fábio Sales. As plantas tratadas magneticamente desenvolvem caules e folhas com maiores dimensões. Os pesquisadores monitoram diariamente o experimento, ao mesmo tempo em que acompanham o grupo controle, formado por sementes que não passaram pelo tratamento magnético. Segundo Fábio Sales, a técnica não causa danos ao vegetal. "Muitas propriedades melhoram. A tendência é que essas plantas cresçam mais viçosas", destacou. 

      O campo magnético modifica a estrutura interna da água, colocando mais cargas elétricas ao redor das pontes de hidrogênio e oxigênio, que compõem o líquido. Isso favorece, segundo o pesquisador, a absorção de água e nutrientes pela semente. Em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Ufrn) e da Fundação de Amparo à Pesquisa de Pernambuco (Facepe), os pesquisadores do Maranhão irão realizar investigações microscópicas, para entender os mecanismos que tornam a germinação das sementes de alface mais rápida. 

     Produção científica e cultura Além da pesquisa envolvendo germinação da semente de alface, mais 188 trabalhos de instituições de ensino superior do Maranhão serão apresentados durante a SBPC, sendo 125 da Universidade Federal do Maranhão, 20 da Universidade Estadual do Maranhão, 16 do Instituto Federal do Maranhão e mais 18 de faculdades particulares. Boa parte dessas pesquisas têm o apoio da Fapema que está com estande montado na no Pavilhão 3 da ExpoT&C, um dos eventos da SBPC. 

    No estande, os visitantes têm a oportunidade de conhecer a produção científica de pesquisadores maranhenses e a cultura, arquitetura, belezas natural e culinária do estado. No local estão expostas revistas, folders, livros e outros itens que apresentam o Maranhão e todas suas riquezas, além de apresentação de vídeos e documentários sobre São Luís. Com essa iniciativa a FAPEMA espera atrair para São Luís um maior número de participantes para a SBPC 2012, que será realizada na Universidade Federal do Maranhão. A reunião é um dos mais importantes eventos científicos do Brasil. 

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Comissão organizadora da SBPC da UFMA mostra os trabalhos e divulga a Instituição em Stand montado na Feira ExpoT&C

Confira agora um pouco dos trabalhos e atividades apresentadas na Feira ExpoT&C SBPC. No stand da UFMA, em parceria com a Prefeitura de São Luís, professores-pesquisadores divulgam os trabalhos da Instituição. Este ano, a UFMA vai expor 125 trabalhos sendo que, 17 vão participar da Jornada Nacional de Iniciação Científica, que tem como objetivo integrar jovens cientistas de todo o Brasil. Os trabalhos foram premiados durante o Seminário de Iniciação Científica da UFMA (SEMIC), ocorrido em 2010. 

Assista agora:


video

Fonte: BNC Notícias

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Comissão Organizadora vai à Goiânia para planejar SBPC 2012

Notícia retirada da página da UFMA
07/07 - 08h33


De 10 a 15 de julho, a equipe da comissão organizadora da SBPC/MA analisará a 63ª Reunião Anual da SBPC de olho no evento do próximo ano, em São Luís

De malas prontas, a Comissão Organizadora da SBPC/MA parte para Goiânia, neste sábado, 9 de julho, mais precisamente à Universidade Federal de Goiás, local da 63ª Reunião Anual da Sociedade para o Progresso da Ciência. Entre os dias 10 e 15 de julho, a equipe busca conhecer os detalhes e firmar parcerias de olho em 2012, ano em que o Encontro será realizado na UFMA.

Para o Secretário Regional da SBPC, José Maurício Bezerra, é fundamental observar a organização, utilização dos espaços e as novidades de cada edição. “Eu participo dessas reuniões desde 1987, mas há pessoas que não podem viajar com tanta frequência. Por isso é importante tirar proveito e ver em loco como se dá a realização de um evento deste porte”, comentou.

Outra meta traçada pela comissão da UFMA é verificar a quantidade de participantes e de pessoas ligadas à organização do evento científico. Para isso, foram firmadas parcerias entre UFMA, Governo do Estado e Prefeitura para analisar e preparar a infraestrutura necessária para que a capital maranhense possa receber uma quantidade projetada de 20 a 25 mil inscritos, segundo Bezerra. O tema deste ano na UFG é “Cerrado: água, alimento e energia”. A UFMA já disponibilizou no site da Instituição uma enquete para a comunidade acadêmica selecionar os assuntos que irão compor o tema do Encontro em 2012.

Parte fundamental da divulgação das produções e acontecimentos da UFMA, a Assessoria de Comunicação (ASCOM) irá disponibilizar uma estrutura especial para realizar transmissões ao vivo no site e nos polos do Núcleo de Educação a Distância das sessões especiais e conferências. Segundo a Assessora de Comunicação, Giselle Marques, além da divulgação em tempo real, o foco da viagem é obter informações sobre as demandas da Reunião Anual e traçar metas para o atendimento da mídia no ano que vem. “Vamos saber qual a estrutura ideal para fazer a cobertura do evento para divulgação e atendimento da imprensa local, nacional e internacional”, ressaltou.

De acordo com a editora-chefe do Núcleo de TV da UFMA, Josie Bastos, no stand da UFMA a Assessoria irá exibir dois vídeos institucionais produzidos para o evento. Jornalistas também farão entrevistas com os organizadores regionais e nacionais, e irão produzir reportagens especiais para divulgar os trabalhos científicos. “Nossa intenção é preparar um banco de imagens e reportagens já pensando nas demandas da UFMA em 2012”, destacou a jornalista.

Para a estudante do sétimo período de pedagogia da UFMA, Débora Mendes, a troca de conhecimento em um evento de caráter internacional é uma experiência ímpar na vida dos professores e alunos. Rafael Campos, mestrando em Ciências Sociais, que participou do Encontro no ano passado, aguarda com ansiedade a edição na UFMA. “A reunião em 2010, em Natal, foi fantástica, então esperamos que em 2012 a nossa SBPC possa ser ainda melhor”, afirmou.


Edição de texto: Josie Bastos 
Revisão de texto: Carla Morais 
Lugar: UFMA
Fonte: Luciano dos Santos
Notícia alterada em: 07/07/2011 16h40

quarta-feira, 6 de julho de 2011

The Society for Ecological Restoration International

       De 21 a 25 de agosto de 2011, em Mérida, México, acontecerá a 4ª Conferência Mundial sobre Restauração Ecológica.
     The Society for Ecological Restoration International (SER) Conferência Mundial sobre Restauração Ecológica é um fórum importante para enfrentar os desafios globais da biodiversidade e perda de habitat, alterações climáticas e desenvolvimento sustentável. 

          A SER 2011 reunirá profissionais de restauração, pesquisadores e estudantes de diversas origens, incluindo as ciências da terra, arquitetura paisagística, engenharia ecológica, dos recursos naturais e ordenamento do território, políticas públicas e economia, e os povos indígenas e líderes comunitários, que irão fornecer uma plataforma fundamental para nos ajudar a definir os princípios da restauração, a compreensão dos seus métodos e objetivos, e fechar a lacuna entre a ciência da ecologia da restauração e da prática de restauração ecológica.
       A conferência contará com palestrantes de renome, vários simpósios e workshops de formação, sessões científicas e visitas de campo. 
      O Cermangue estará presente, apresentando os trabalhos:
  • An integrating framework for mangrove rehabilitation in Sepetiba Bay, Rio de Janeiro, Brazil: a case study on reducing forest fragmentation and edge effects (oral presentation
  •  Production and development of mangrove eedlings in nurseries at Rio dos Cachorros, Amazonian Coast of Maranhão State, Brazil (poster presentation)
  •  Mangrove restoration in Sao Luis Island, Amazonian Coast of Maranhão State, Brazil: structural development and mortality in planting sites (poster presentation)

sábado, 2 de julho de 2011

Destaque Nacional em Meio Ambiente, para mais uma Profª da UFMA

A Profª Drª Flávia Mochel foi nomeada representante das universidades brasileiras na Comissão Técnica
 Notícia retirada da página da UFMA 

A Ministra de Estado do Meio Ambiente,Izabella Teixeira no uso das atribuições que lhe confere criou o Comitê Nacional de Zonas Úmidas (Portaria 185, do MMA)e no dia 28 de junho de 2011, em Brasília, foi instalada a Comissão Técnica Nacional sobre Manguezais no âmbito do Comitê Nacional de Zonas Úmidas e a Profa. Dra. Flavia Rebelo Mochel foi nomeada a representante das Universidades Brasileiras.

O Comitê tem a finalidade de elaborar subsídios para um Programa Nacional para a Conservação dos Manguezais, estudar, propor e acompanhar a execução de ações, políticas, projetos para o referido ecossistema e os demais ambientes associados. Conhecendo-se o extraordinário trabalho da professora pesquisadora, Flávia Mochel, que congrega esforços do saber popular ao saber científico espera-se ainda destaque maior nessa representatividade, para o alcance do mais ousado objetivo do Programa: Assentos para as representações comunitárias que vivem nos Manguezais Brasileiros, bem como para ONGs e Movimentos Sociais.

O Ministério de Meio Ambiente considerando os diversos compromissos assumidos nas Convenções sobre Diversidade Biológica e de Zonas Úmidas de Importância Internacional (Ramsar), bem como os objetivos do Projeto PNUD/BRA/07/G32 (Manguezais do Brasil) homologou tal portaria.

E a Profª Drª Flávia Mochel, já começou a trabalhar, a convite do reitor Natalino Salgado, em reunião administrativa com gestores,e profºs-pesquisadores dos demais campi da UFMA, na última sexta-feira, dia 01 de julho, a representante divulgou o trabalho da Comissão Técnica Nacional em favor dos Manguezais e incentivou futuros projetos em Educação Ambiental, também no continente considerando as especificidades naturais de cada campus e região.

O reitor parabenizou a docente novamente pelo seu trabalho e reconhecimento nacional, bem como aproveitou o momento para anunciar o resultado da enquete para a escolha das palavras chaves da temática da 64² Reunião da SBPC, que acontecerá em 2012 sediada pela UFMA.
CULTURA foi a mais votada, seguida bem próxima por SUSTENTABILIDADE E POBREZA. Na próxima semana, a Comissão da SBPC na UFMA em 2012, a qual faz parte também a Profª Flávia, a partir dessa votação (quase 10 mil internautas-participantes) delimitará o tema que já deverá ser anunciado durante 63ª Reunião em Goiânia.

Lugar: Campus do Bacanga
Fonte: ASCOM/Keyle Monteiro
Notícia alterada em: 01/07/2011 21h38
Confira a notícia na íntegra em: http://www.ufma.br/


sexta-feira, 1 de julho de 2011

Atividades no Manguezal

As estudantes: Deusanira e Keila
        Na manhã deste sábado, 25 de junho, alunos da disciplina Sustentabilidade de Ecossistemas Costeiros, do Curso de Oceanografia-UFMA, ministrada pela Professora Flávia Rebelo Mochel visitaram um bairro à beira do manguezal, no Jaracati. Na ocasião, os graduandos aplicaram um questionário Socioambiental, que visava analisar a relação dos moradores com este ecossistema.
As entrevistas foram realizadas com pessoas da comunidade e buscaram identificar a percepção destas quanto aos impactos que ocorrem no ecossistema, bem como a relação específica das mesmas com o manguezal: se dependem economicamente deste, se o utilizam apenas para o consumo próprio, ou se moram ali, mas não têm nenhum vínculo com ele.
Após a coleta dos dados, os estudantes partem, agora, para um trabalho de tratamento destes, bem como de análise de resultados.